Todos os posts de pris

Adeus, Amiguinho!

ADEUS, AMIGUINHO!

 

Foi uma honra e alegria ter convivido com você, esses dois dias! …

Senti a Presença do Senhor, bem pertinho de mim, através dessa ave, desse filhotinho de Bem-Te-Vi, que infelizmente, com a forte ventania, caiu do ninho. Seu irmãozinho ou irmãzinha, conseguiu subir, após colocá-lo(a) na forcada da mangueira, e ainda está sobrevivendo.

 

 

 

… Foi um privilégio poder pegá-lo nas mãos e levá-lo devolta ao jardim… Pude sentir o seu cheirinho delicado de pássaro e ter a alegria de vê-lo pular, abrir suas asinhas, cantar e esperar seus pais tentarem trazer alimento para vocês.

Hoje, amiguinho, você não resistiu! Cumpriu sua missão até quando O Senhor permitiu… Vai em paz! Está no paraíso do Senhor.

Sofreu os últimos momentos de agonia, ao se debater, lentamente, em minhas mãos… Agora, será uma nova rosa que se abrirá quando o dia chegar!

Adeus, amiguinho!

Voe para a Eternidade do Senhor!!!

Muito obrigada, Senhor, por me proporcionar momentos tão abençoados e felizes, debaixo da Mangueira que o pai do Nino (seu Olíndio João de Bitencourt), plantara, nesse jardim aconchegante e fresquinho, aqui de casa. Árvores lindas, frondosas, que com os seus ramos, abrigam a Tua Criação! Pássaros amigos (Bem-Te-Vis, Sabiás-Laranjeira, Beija-Flores, Cambacicas, Sanhaçus, Corruíras (Currequinhas), Pombinhas-Rolas…) que nelas (Mangueira, Pitangueira, Aceroleira – essas duas últimas, a dona Lilica, mãe do Nino, também plantara) vem repousar, construir seus ninhos, cantar, nos alegrar com seus cantos, seus movimentos graciosos, suas agradáveis visitas!

Aqui, nesta Terra, neste plano, é tudo muito passageiro e precisamos aproveitar o TEMPO, vivendo com sabedoria, amor, fé, paz e alegria, os momentos os quais O Senhor nos concede, a cada instante.

“Setenta anos é o total de nossa vida, os mais fortes chegam aos oitenta.

A maior parte deles, sofrimento e vaidade, porque o TEMPO passa depressa e desaparecemos.” Salmos 90, 10

“Ensinai-nos a bem contar os nossos dias, para alcançarmos o saber do coração.” Salmos 90, 12

Ensinai-nos, Senhor, a fazer a Tua Vontade, Te amando sobre tudo e ao próximo como a nós mesmos. (Mateus 22, 37 – 39)

Procurando AMAR e PERDOAR, sempre. Tentando nos colocarmos no lugar de cada semelhante.

“Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares.” (Efésios 6, 12)

Assim, seremos felizes, assim terá sentido a nossa existência!

MUITO OBRIGADA, SENHOR!!!

Em Cristo Jesus,

Priscila Santos de Bitencourt.

Amém.

Guarujá, 21 e 22 de novembro de 2020.

Pão Nosso – Agradecimento

“… Acabei bem próximo à hora do cafezinho da tarde: 15h! Foi muito bom, pois pudemos nos sentar à mesa, com a toalha limpinha e saborear um alimento saudável, preparado com muito amor, por mim (nós…) (risos)!

Quando preparei aquele pão, orei e lembrei da Última Ceia e de Nossa Senhora, que deveria, na época, também, preparar, esse alimento, para O Senhor Jesus e São José.

E por providência: no momento em eu estava cuidando daqueles pés (com o serviço de pedicure), também, me lembrei (e procuro lembrar-me, sempre) do momento sagrado do Lava-Pés (Servir sempre!).

Muito obrigada por eu ter conseguido, com o Auxílio do Teu Santo Espírito e ajuda da Mãezinha, preparar aquele pão caseiro, que cresceu tanto e ficou muito fofinho, com a casquinha crocante por fora e macio por dentro, para tomarmos o nosso cafezinho da tarde!

Muito obrigada por eu ter conseguido cumprir tudo, no horário e SEMPRE, no final, dar tudo certo!!!

Que eu esteja sempre pronta para servir ao Senhor e aos irmãos! Procurando ser instrumento de Amor e Paz!

 

E continuando o meu pensamento sobre a Presença poderosa do Senhor, agindo em nossas vidas, mudando para melhor; transformando a nossa sorte como as torrentes nos desertos do sul. (Salmo 126, 4)

 

Aqui, reflito o quanto pulso precisamos ter para continuarmos lutando, perseverando em nossa jornada! Pulso para suportarmos as dores, as provações, as afrontas, as tormentas, as humilhações, perseguições, privações…

Orando e vigiando para não cairmos em tentação. (Mateus 26, 41)

No entanto, precisamos, sempre lembrar, das palavras do apóstolo São Paulo:

“Basta-te minha Graça, porque é na fraqueza que se revela, totalmente, a minha força!” II Cor. 12, 9

Parece contradição… É para confundir os sábios deste mundo! (I Cor. 20)

Sentir: “alegria nas fraquezas, nas afrontas, nas necessidades, nas perseguições, no profundo desgosto por amor de Cristo. II Cor. 12, 10

“Porque quando nos sentimos fracos, então é que somos fortes!” II Cor 12, 10

É somente para os fortes que se esvaziam de si mesmos, para preencherem-se do Santo Espírito de Deus. Dos que perdoam, a todo instante, para que o mal não se aloje, em algum cantinho, escondido, do coração e lá se enraize e infiltre o veneno da mágoa, do ressentimento…

Que sejamos amor e perdão!

“Senhor, fazei-me instrumento de Vossa Paz!

Onde houver ódio, que eu leve o amor;

Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;

Onde houver discórdia, que eu leva a união;

Onde houver dúvida, que eu leve a fé;

Onde houver erro, que eu leve a verdade;

Onde houver desespero, que eu leve a esperança;

Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;

Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei que eu procure mais: consolar que ser consolado; compreender que ser compreendido, amar que ser amado. Pois é dando que se recebe. É perdoando que se é perdoado. E é morrendo que se vive para a vida eterna.” São Francisco de Assis, rogai por nós!

 

Essa é a Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo! Amor e Paz!

 

Amar a Deus sobre tudo e ao próximo como a nós mesmos. (Mateus 22, 37 e 39)

 

Com muito amor e gratidão,

Priscila Santos de Bitencourt.

Amém.

 

Guarujá, SP, Brasil, 03, 04 e 05 de outubro de 2020.

Tronquinho Seco

“… este tronquinho seco, deu esta bela orquídea, trazendo a primavera para a minha casa”. (Nadir Marques dos Santos)

Foi assim que me veio a inspiração:

“A Beleza do Criador, usando o “seco” para manifestar a vivacidade das cores, da vida!!!

Somos assim:

“Vasos de barro trazendo o tesouro da luz, em nossos corações (ao irradiar o conhecimento do esplendor de Deus, que se reflete na face de Cristo).” II Coríntios 4, 6 e 7.

Seremos secos se não permitirmos que o Santo Espírito de Deus, habite em nossos corações, dê sentido à nossa existência!

Seremos ofuscados se não permitirmos que a luz de Jesus Cristo reflita em nosso ser, para irradiarmos Amor!!!

Que possamos ser AMOR, sempre! Que possamos transbordar o AMOR de DEUS eternamente!

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos,

se não tiver amor, sou como o bronze que soa,

ou como o címbalo que retine.

 

Mesmo que eu tivesse o dom da profecia,

e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência;

mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas,

se não tiver amor, não sou nada.

 

Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres,

e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado,

se não tiver amor, de nada valeria!

 

O amor é paciente,

o amor é bondoso.

Não tem inveja.

O amor não é orgulhoso.

Não é arrogante.

 

Nem escandaloso.

Não busca os seus próprios interesses,

não se irrita,

não guarda rancor.

 

Não se alegra com a injustiça,

mas se rejubila com a verdade.

 

Tudo desculpa,

tudo crê,

tudo espera,

tudo suporta.

 

O amor jamais acabará.

 

As profecias desaparecerão,

o dom das línguas cessará,

o dom da ciência findará.

A nossa ciência é parcial,

a nossa profecia é imperfeita.

 

Quando chegar o que é perfeito, o imperfeito desaparecerá.

 

Quando eu era criança,

falava como criança,

pensava como criança,

raciocinava como criança.

Desde que me tornei homem,

eliminei as coisas de criança.

 

Hoje vemos como por um espelho, confusamente;

mas então veremos face a face.

Hoje conheço em parte;

mas então conhecerei totalmente, como eu sou conhecido.

 

Por ora subsistem a fé,

a esperança

e o amor – os três.

Porém, o maior deles é o amor.”

I Coríntios, 13 – 1 – 13

 

Em Cristo Jesus,

Priscila Santos de Bitencourt.

Amém.

Alma de Flores

 

 

 

 

 

ALMA DE FLORES

Um sabonete…

“Alma de Flores Brancas”, sabonete este, que ao tomar banho, exalou um perfume que me fez chorar de saudade, que me trouxe lembranças de minha infância: meu querido tio Gentil, quando se perfumava, todo feliz para ir louvar O Senhor, na Igreja, sendo Seu servo, sendo porteiro acolhedor dos irmãos!!! Que Graça ter sido sobrinha dele!!!

Muito obrigada, Senhor, por eu (minha mãe, meu pai, meus irmãos) termos recebido tanto amor desse tio tão amável, querido e gentil!!! Com uma alma, realmente, de flores: pura!

Recordarei aqui, um pouquinho, desse meu tio Gentil, através de uma mensagem a qual escrevi, no Dia dos Pais, em 12 de agosto de 2018, à sua filha e minha prima Silmara:

“… considero muito o Amor que O Senhor construi através de nossas vidas, da Tia Landa, do Tio Gentil e da Priminha, Silmara, do meu coração!!! Tios e Prima de verdade!!! Que nos ajudaram no sustento, nas provisões (mantimentos, roupas, calçados), fora a diversão e a alegria que era ir para a casa deles!!! Sempre linda, organizada, toda muito bem feitinha, acabada, com tanto esforço do tio e zelo da tia!

Podíamos sair correndo e brincar, “gritar” muito – sem exagero (risos)!!! Lembro-me quando dormíamos na sala e eu acordava com o galo, do galinheiro do tio, cantando… Eu abria os olhos e logo avistava um teto com massa corrida, emoldurado de umas flores ao redor, cor de céu!!! Tentava me lembrar onde eu estava – pois, eu, ao dormir, esquecia que não estava mais, em minha casa… E acordava naquele pedacinho de céu! Céu que nas Lindas Noites de Natal, íamos para lá; eu saía correndo para tocar a campainha… E quando lá chegava, recebia todo amor e acolhida de todos eles! O tio, então!… Separava umas cadernetinhas e canetas para escrevermos; revistas… Fora a comida gostosa e abundante que tinha! Quantos quitutes, preparados por eles!!! Quando eu como um docinho rosa (“chicletinho”) tipo um beijinho, lembro da tia, os servindo, naquelas deliciosas e alegres festinhas!

Lembro-me do tio assobiando e preparando a saladinha de frutas para o Ano Novo, churrasquinhos… – Sempre que eu misturo alguma fruta para comer (por exemplo: laranja com mamão ou uva…) lembro do tio e falo para o Nino (meu esposo).

Eram muitas festas!!! E a maior delas foi o Amor o qual eles dedicaram a mim, aos meus amados pais e aos meus irmãos!!!

O tio tomava conta de nós! Comprava balinha e “cacha-cacha” (chicles) – assim a Bela (minha irmã) os pronunciava (risos) para nós. Leváva-nos atrás, no bagageiro de sua bicicleta (eu acho que era uma “Barra Forte”). Cheguei a andar nela… Só que eu tinha medo, pois o breque era no pedal e tinha o cano da frente que não me deixava equilibrar muito…

Dos jabutis e da rede do tio… Aquele muito bem feito e organizado barracão dele…

Sempre nos ajudando, comprando uma casa para nós, ajudando a contruí-la, a repará-la…

Ainda guardo uma banqueta de madeira, muito útil, por ele mesmo construída, em 1988!

Quanto amor do Tio Gentil, que foi, também, para nós, como um verdadeiro, amado e querido pai!!! Muito especial, esse tio-pai!!!

OBRIGADA POR TANTO AMOR!!! .”

 

Priscila Santos de Bitencourt.

 

Guarujá, SP, Brasil, Segunda-Feira, 10 de agosto de 2020.

Algodão-Doce

ALGODÃO-DOCE

Num lindo dia de sol (27 de agosto de 2020), numa Quinta-Feira Eucarística, quando avistei aquele céu, e aquele conjunto de algodão-doce, senti Tua doce Presença penetrar meu coração, e me lembrei de nuvens, nuvens de algodão… Me lembrei da Tua nuvem que conduzia o Teu Povo, no deserto (de dia numa coluna de nuvens – Êxodo 13, 21) , me lembrei daquela nuvem luminosa em que se ouvia a Tua voz: “Eis o Meu Filho muito amado, em quem pus toda minha afeição; ouvi-O.” Mateus 17, 5

Me fez sentir criança – tempo em que minhas irmãs e eu brincávamos tão felizes, por sermos amadas e cuidadas por Ti, através de nossos pais, nossos tios, nossa família!

Me fez lembrar do que Teu Filho Jesus nos ensinou e ensina, todos os dias:

“Trouxeram-lhe criancinhas para que Ele as tocasse. Vendo isto os discípulos as repreendiam. Jesus, porém, chamou-as e disse: “Deixai vir a mim as criancinhas e nãos as impeçais, porque o Reino de Deus é daqueles que se parecem com elas. / Em verdade, vos declaro: quem não receber o Reino de Deus como uma criancinha, nele não entrará.” (Lucas 18, 15 – 17)

 

Não repreendam suas crianças, saibam amá-las e valorizá-las! Deem atenção, amor, educação. É o que elas mais precisam. O pão é necessário, no entanto, o Amor é essencial!!!

 

Muito obrigada, Senhor, por eu receber tanto Amor de Ti, através de meus pais, tios, irmãos, amigos, semelhantes! E tornar a minha vida tão doce e agradável, como aqueles algodões-doces! E quando o amargor se aproximar, que eu entenda que é como remédio (onde há um tempo para nos curarmos, nos purificarmos – como este, de pandemia, em que vivemos).

“1.Para tudo há um tempo,

para cada coisa há um momento debaixo do céu:

2.tempo de nascer e tempo de morrer;

tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou.

3.Tempo de matar e tempo de curar;

tempo de demolir e tempo de construir.

4.Tempo de chorar e tempo de rir;

tempo de gemer e tempo de dançar.

5.Tempo de atirar pedras e tempo de ajuntá-las;

tempo de abraçar e tempo de apartar-se.*

6.Tempo de procurar e tempo de perder;

tempo de guardar e tempo de jogar fora.

7.Tempo de rasgar e tempo de costurar;

tempo de calar e tempo de falar.

8.Tempo de amar e tempo de odiar;

tempo de guerra e tempo de paz.

9.Que proveito tira o trabalhador de sua obra?

10.Vi o trabalho que Deus impôs aos homens, para que nele se ocupassem.

11.As coisas que Deus fez são boas a seu tempo. Ele pôs, além disso, no seu coração, a duração inteira, sem que ninguém possa compreender a obra divina de um extremo ao outro.

12.Assim, concluí que nada é melhor para o homem do que alegrar-se e procurar o bem-estar durante sua vida.

13.Igualmente é dom de Deus que todos possam comer, beber e gozar do fruto de seu trabalho.

14.Reconheci que tudo o que Deus faz dura para sempre, sem que se possa ajuntar nada, nem nada suprimir. Deus procede dessa maneira para ser temido.

15.Aquilo que é, já existia, e aquilo que há de ser, já existiu; Deus chama de novo o que passou.” (Eclesistes 3, 1 – 15)

 

Eis que Deus renova todas as coisas!* Ele é o Alfa e o Ômega, o Começo e o Fim”.* (Apocalipse 21, 5 e 6**)

Que tenhamos sabedoria para aproveitar o tempo que nos é confiado. Permitindo-nos que O Santo Espírito de Deus, venha em nosso auxílio e habite nossos templos espirituais*, preenchendo-os com toda a Paz, com todo Amor. (*I Coríntios 3, 16)

Amém.

Priscila Santos de Bitencourt.

 

Guarujá, 06 de setembro de 2020.

Mais Um Dia – Presente de Deus

Senhor, muito obrigada por mais esta oportunidade de termos mais um dia de vida, mais um presente em nossas vidas!
Muito obrigada pelo nascimento desta rosinha linda e perfumada: Julinha! Em homenagem à senhora Julinha quem me presenteou (15/11/2017) e à Júlia, filha de minha madrinha espiritual, Bia.
Mais um botão que surgiu e se abriu! Mais um amanhecer com esperanças em dias melhores! Mais uma vida que surge! Mais uma semente que necessita morrer para produzir graça, perfume, alegria!
“… se o grão de trigo caído na terra , não morrer, fica só; se morrer, produz muito fruto.” (João 12, 24)
“Assim como a vela: é preciso nos consumirmos para iluminarmos ao redor.” (autor desconhecido).
A cada segundo, morrermos um pouquinho, para ressurgirmos, mais um pouquinho, no mistério da Ressurreição. A cada instante dedicarmos a nossa vida ao Senhor, tentando fazer a Sua vontade: amá-Lo sobre tudo, e ao nosso próximo como a nós mesmos. (Mateus 22, 37 – 40). Tentando fazer frutificar (multiplicar) os dons por Ele a nós confiado.”
Deus é amor! (João 4, 8).
E como o apóstolo Paulo nos ensinou: “Por ora subsistem a fé, a esperança e a caridade – as três. Porém, a maior delas é a caridade.” (I Coríntios 13, 13)
Ou seja, no final de tudo, sobrará Deus, que é Amor! Que é Maior que tudo!!!
“Se o nosso Deus veste o lírio e alimenta o cantor (os pássaros) pra não perder a voz… Muito mais vai fazer por Seus filhos! Nosso Deus não Se esquece de nós!!! (Letra baseada em Mateus 6, 26 – 30 / Música Pe. Zezinho, scj).
Nosso Deus não Se esquece de nós! Basta crermos, confiarmos em Sua Divina Providência. Orando e vigiando (Mateus 26, 41). Orando e trabalhando (São Bento).
Pois se buscarmos o Reino de Deus, em primeiro lugar e a Sua justiça, tudo mais nos será acrescentado! (Mateus 6, 33).
Tudo mesmo: o sentido para a nossa existência!
“Sejamos verdadeiros adoradores, como o Nosso Pai deseja:
O adoremos em espírito e verdade.” (João 4, 23 e 24).
Com Ágape, em Cristo Jesus,
Priscila Santos de Bitencourt.
Amém.

Guarujá, SP, Brasil, 02 de setembro de 2020.

Presente de Deus

 

Há dois anos (31 de agosto de 2018), nós fomos presenteados, pelo Pai, com a intercessão da Mãezinha do Céu, através da ajuda, do carinho, de nosso querido amigo e irmão, Evandro Hermenegildo. Esse amigo do peito, nos doou uma bicicleta Tandem (estilo dupla) a qual nos possibilitou nos exercitarmos, passearmos, chegarmos aos lugares, principalmente, às praias, mais rapidamente (para assim aproveitarmos melhor o tempo); a possibilidade de desenvolvermos saúde (coordenação motora, equilíbrio, melhora na condição pulmonar, atenção, sincronismo…), e a possibilidade de continuarmos sendo felizes, com este lazer, sentindo a brisa sobre o rosto, aproveitando os dons os quais O Senhor nos concede, os sentidos os quais somos presenteados, todos os dias (respirar, ouvir, perceber, sentir, falar, enxergar – seja física ou espiritualmente)…
Desde pequena (uns 4 aninhos), meu pai, Antonio Pedro Carneiro, me incentivou a andar de bicicleta; a lutar (se defender – aos 9 anos); a se colocar no lugar do outro, a ter caridade, principalmente, com as crianças, sempre.
As bicicletas – sejam usadas ou novas – infantis ou adultas) sempre me acompanharam e continuam. E como foi (e é) bom. Brincando, estudando, indo aos mercados para pesquisar os preços mais baixos, passeando, trabalhando…
Quando o Nino e eu começamos a namorar – por ele ser deficiente visual – o levava na garupa, para alguns passeios.
Então, com o tempo, pensei que seria muito bom ele poder interagir, também, e participar, podendo pedalar comigo. E eu tinha uma vontade muito grande em conseguir, um dia, uma bicicleta estilo Tandem para podermos realizar este intento.
E não é que, depois de algum tempo, O Senhor colocou em meu caminho, bem pertinho de casa, um homem talentoso (seu Antonio, nome do meu pai!) que construiu, que forjou dois quadros e montou a nossa querida bicicleta Tandem!
Orei muito, meditei Rosários, para que tudo fluísse perfeitamente, iluminando e abençoando tudo, do começo ao fim.
Graças a Deus, hoje, recordo e compartilho com vocês esse momento tão abençoado. E espero no Senhor, que logo, logo, voltemos a desfrutar desta alegria. E que Esse Deus fiel, esteja presente, na vida de todos aqueles que O buscarem, de todo o coração. Esse Deus que tudo pode!!! (Lucas 1, 37)
Com profunda gratidão,
Em Cristo Jesus,
Priscila Santos de Bitencourt.
Amém.

Vida Real

Uma história verídica!!!

Ricardinho não aguentou o cheiro bom do pão e falou:

– Pai, tô com fome!!!

O pai, Agenor, sem ter um tostão no bolso, caminhando, desde muito cedo, em busca de um trabalho; olha com os olhos marejados, para o filho e pede mais um pouco de paciência….

– Mas pai, desde ontem, não comemos nada, eu tô com muita fome, pai!!!

Envergonhado, triste e humilhado em seu coração de pai, Agenor pede para o filho aguardar na calçada, enquanto entra na padaria à sua frente…

Ao entrar dirige-se a um homem no balcão:

– Meu senhor, estou com meu filho de apenas 6 anos na porta, com muita fome, não tenho nenhum tostão, pois sai cedo para buscar um emprego e nada encontrei; eu lhe peço que, em nome de Jesus, me forneça um pão para que eu possa matar a fome desse menino; em troca, posso varrer o chão de seu estabelecimento, lavar os pratos e copos, ou outro serviço que o senhor precisar!!!

Amaro , o dono da padaria, estranha aquele homem de semblante calmo e sofrido, pedir comida, em troca de trabalho, e pede para que ele chame o filho…

Agenor pega o filho pela mão e apresenta-o a Amaro, que imediatamente, pede que os dois sentem-se junto ao balcão; onde manda-lhes servir dois pratos de comida do famoso PF (Prato Feito) – arroz, feijão, bife e ovo…

Para Ricardinho era um sonho, comer após tantas horas na rua…

Para Agenor , uma dor a mais, já que comer aquela comida maravilhosa, fazia-o lembrar-se da esposa e mais dois filhos, que ficaram em casa, apenas com um punhado de fubá….

Grossas lágrimas desciam dos seus olhos já na primeira garfada…

A satisfação de ver seu filho devorando aquele prato simples como se fosse um manjar dos deuses, e lembrança de sua pequena família em casa, foi demais para seu coração tão cansado de mais de 2 anos de desemprego, humilhações e necessidades…

Amaro se aproxima de Agenor e percebendo a sua emoção, brinca para relaxar:

– Ô Maria!!! Sua comida deve estar muito ruim… Olha o meu amigo está até chorando de tristeza desse bife, será que é sola de sapato?!?!

Imediatamente, Agenor sorri e diz que nunca comeu comida tão apetitosa, e que agradecia a Deus por ter esse prazer…

Amaro pede então que ele sossegue seu coração, que almoçasse em paz e depois conversariam sobre trabalho…

Mais confiante, Agenor enxuga as lágrimas e começa a almoçar, já que sua fome já estava nas costas…

Após o almoço, Amaro convida Agenor para uma conversa, nos fundos da padaria, onde havia um pequeno escritório…

Agenor conta, então, que há mais de 2 anos, havia perdido o emprego, e desde então, sem uma especialidade profissional, sem estudos, ele estava vivendo de pequenos ‘biscates aqui e acolá’, mas que há 2 meses não recebia nada…

Amaro resolve, então, contratar Agenor, para serviços gerais na padaria, e penalizado, faz para o homem, uma cesta básica com alimentos, para, pelo menos, 15 dias…

Agenor, com lágrimas nos olhos, agradece a confiança daquele homem e marca para o dia seguinte seu início no trabalho…

Ao chegar em casa, com toda aquela ‘fartura’, Agenor é um novo homem; sentia esperanças, sentia que sua vida iria tomar novo impulso…

Deus estava lhe abrindo, mais do que uma porta, era toda uma esperança de dias melhores…

No dia seguinte, às 5 da manhã, Agenor estava na porta da padaria, ansioso para iniciar seu novo trabalho…

Amaro, chega, logo em seguida e sorri para aquele homem que, nem ele sabia, porque estava ajudando…

Tinham a mesma idade, 32 anos, e histórias diferentes, mas algo dentro dele, chamava-o para ajudar aquela pessoa…

E, ele não se enganou – durante um ano, Agenor foi o mais dedicado trabalhador daquele estabelecimento, sempre honesto e extremamente zeloso com seus deveres…

Um dia, Amaro chama Agenor para uma conversa e fala da escola que abriu vagas para a alfabetização de adultos, um quarteirão acima da padaria, e que ele fazia questão que Agenor fosse estudar…

Agenor nunca esqueceu seu primeiro dia de aula: a mão trêmula nas primeiras letras e a emoção da primeira carta…

Doze anos se passam, desde aquele primeiro dia de aula…

Vamos encontrar o Dr. Agenor Baptista de Medeiros, advogado, abrindo seu escritório para seu cliente, e depois outro, e depois mais outro…

Ao meio, dia ele desce para um café na padaria do amigo Amaro, que fica impressionado em ver o ‘antigo funcionário’ tão elegante em seu primeiro terno…

Mais dez anos se passam, e agora o Dr. Agenor Baptista, já com uma clientela que mistura os mais necessitados que não podem pagar, e os mais abastados que o pagam muito bem, resolve criar uma Instituição que oferece aos desvalidos da sorte, que andam pelas ruas, pessoas desempregadas e carentes de todos os tipos, um prato de comida, diariamente, na hora do almoço…

Mais de 200 refeições são servidas, diariamente, naquele lugar que é administrado pelo seu filho , o agora, nutricionista Ricardo Baptista…

Tudo mudou, tudo passou, mas a amizade daqueles dois homens, Amaro e Agenor, impressionava a todos que conheciam, um pouco da história de cada um…

Contam que aos 82 anos, os dois faleceram no mesmo dia, quase que a mesma hora, morrendo placidamente, com um sorriso de dever cumprido…

Ricardinho, o filho, mandou gravar, na frente da ‘Casa do Caminho’, que seu pai fundou com tanto carinho:

‘Um dia, eu tive fome, e você me alimentou. Um dia, eu estava sem esperanças e você me deu um caminho. Um dia, acordei sozinho, e você me deu Deus, e isso não tem preço… Que Deus habite em seu coração e alimente sua alma,.. E, que te sobre o pão da misericórdia para estender a quem precisar!!!’

(História verídica)

A vida é o presente mais valioso que temos!

Autor desconhecido.

 

Uma História Para Refletir

Um açougueiro, estava em sua loja e ficou surpreso, quando um cachorro entrou.
Ele espantou o cachorro, mas logo o cãozinho voltou. Novamente, ele tentou espantá-lo, foi quando viu que o animal trazia um bilhete na boca.
Ele pegou o bilhete e leu:
“Pode me mandar 12 salsichas e uma perna de carneiro, por favor?”
Ele olhou e viu que dentro da boca do cachorro, havia uma nota de 50 Reais. Então, ele pegou o dinheiro, separou as salsichas e a perna de carneiro, colocou numa embalagem plástica, junto com o troco, e pôs na boca do cachorro.
O açougueiro ficou impressionado e como já era mesmo hora de fechar o açougue, ele decidiu seguir o animal.
O cachorro desceu a rua, quando chegou ao cruzamento, deixou a bolsa no chão, pulou e apertou o botão para fechar o sinal.
Esperou, pacientemente, com o saco na boca, até que o sinal fechasse e ele pudesse atravessar a rua.
O açougueiro e o cão foram caminhando pela rua, até que o cão parou em uma casa e pôs as compras na calçada. Então, voltou um pouco, correu e se atirou contra a porta.
Tornou a fazer isso. Ninguém respondeu na casa. Então, o cachorro circundou a casa, pulou um muro baixo, foi até a janela e começou a bater com a cabeça no vidro várias vezes.
Depois disso, caminhou de volta para a porta, e foi quando alguém abriu a porta e começou a bater no cachorro.
O açougueiro correu até esta pessoa e o impediu, dizendo:
“Por Deus do céu, o que você está fazendo? O seu cão é um gênio!”
A pessoa respondeu:
“Um gênio? Esta já é a segunda vez, esta semana, que este estúpido ESQUECE a chave!!!”

Moral da História:

Você pode continuar excedendo às expectativas, mas, para os olhos de alguns, você estará sempre abaixo do esperado. Qualquer um pode suportar a adversidade, mas, se quiser testar o caráter de alguém, dê-lhe o poder.
Se algum dia, alguém lhe disser que seu trabalho não é o de um profissional, lembre-se: Amadores construíram a Arca de Noé e profissionais, o Titanic. Quem conhece os outros é inteligente. Quem conhece a si mesmo é iluminado.
Quem vence os outros é forte. Quem vence a si mesmo é invencível.

Autor desconhecido.

Torradas Queimadas

Quando eu ainda era um menino, ocasionalmente, minha mãe gostava de fazer um lanche, tipo café da manhã, na hora do jantar.
E eu me lembro, especialmente, de uma noite, quando ela fez um lanche desses, depois de um dia muito duro de trabalho.
Naquela noite longínqua, minha mãe pôs um prato de ovos, linguiça e torradas, bastante, queimadas, defronte ao meu pai.
Eu me lembro de ter esperado um pouco, para ver se alguém notava o fato. Tudo o que meu pai fez foi pegar a sua torrada, sorrir para minha mãe e me perguntar como tinha sido o meu dia, na escola.
Eu não me lembro o que respondi, mas me lembro de ter olhado para ele lambuzando a torrada com manteiga e geleia, e engolido cada bocado.
Quando eu deixei a mesa naquela noite, ouvi minha mãe se desculpando por haver queimado a torrada. E eu nunca esquecerei o que ele disse:
“Amor, eu adoro torrada queimada…”
Mais tarde, naquela mesma noite, quando fui dar um beijo de boa noite em meu pai, eu lhe perguntei se ele tinha realmente gostado da torrada queimada.
Ele me envolveu em seus braços e me disse:
“Filho, sua mãe teve um dia de trabalho muito pesado e estava realmente cansada… Além disso, uma torrada queimada não faz mal a ninguém.
A vida é cheia de imperfeições e as pessoas não são perfeitas. E eu também não sou o melhor marido, empregado ou cozinheiro!”

*   *   *

O que tenho aprendido, através dos anos, é que saber aceitar as falhas alheias, escolhendo relevar as diferenças, entre uns e outros, é uma das chaves mais importantes, para criar relacionamentos saudáveis e duradouros.
De fato, poderíamos estender esta lição para qualquer tipo de relacionamento: entre marido e mulher, pais e filhos, irmãos, colegas e amigos.
Não ponha a chave de sua felicidade, no bolso de outra pessoa, mas no seu próprio.
Procure ver pelos olhos de Deus e sinta pelo coração dEle. Você apreciará o calor de cada alma, incluindo a sua.
As pessoas poderão se esquecer do que você lhes fez, ou do que lhes disse. Mas nunca esquecerão o modo pelo qual você as fez se sentir.
Gastamos muito tempo e muitas energias, nos importando com coisas pequenas, pequenos aborrecimentos, pequenas querelas que não levam a lugar algum.
Acabam, sim, sempre nos fazendo mal, estragando o dia, que tinha tudo para ser tão proveitoso, se houvéssemos escolhido o caminho da compreensão, da paz.
A empatia e a caridade salvarão o mundo. Assim, urge que tenhamos estas duas virtudes muito bem construídas no coração.
Trace planos, estabeleça objetivos que compreendam a empatia e a caridade em sua vida, e perceba que os bons resultados, na forma de felicidade intensa, virão imediatamente.

Autor desconhecido.