Arquivo da categoria: Sem categoria

Presente de Deus

 

Há dois anos (31 de agosto de 2018), nós fomos presenteados, pelo Pai, com a intercessão da Mãezinha do Céu, através da ajuda, do carinho, de nosso querido amigo e irmão, Evandro Hermenegildo. Esse amigo do peito, nos doou uma bicicleta Tandem (estilo dupla) a qual nos possibilitou nos exercitarmos, passearmos, chegarmos aos lugares, principalmente, às praias, mais rapidamente (para assim aproveitarmos melhor o tempo); a possibilidade de desenvolvermos saúde (coordenação motora, equilíbrio, melhora na condição pulmonar, atenção, sincronismo…), e a possibilidade de continuarmos sendo felizes, com este lazer, sentindo a brisa sobre o rosto, aproveitando os dons os quais O Senhor nos concede, os sentidos os quais somos presenteados, todos os dias (respirar, ouvir, perceber, sentir, falar, enxergar – seja física ou espiritualmente)…
Desde pequena (uns 4 aninhos), meu pai, Antonio Pedro Carneiro, me incentivou a andar de bicicleta; a lutar (se defender – aos 9 anos); a se colocar no lugar do outro, a ter caridade, principalmente, com as crianças, sempre.
As bicicletas – sejam usadas ou novas – infantis ou adultas) sempre me acompanharam e continuam. E como foi (e é) bom. Brincando, estudando, indo aos mercados para pesquisar os preços mais baixos, passeando, trabalhando…
Quando o Nino e eu começamos a namorar – por ele ser deficiente visual – o levava na garupa, para alguns passeios.
Então, com o tempo, pensei que seria muito bom ele poder interagir, também, e participar, podendo pedalar comigo. E eu tinha uma vontade muito grande em conseguir, um dia, uma bicicleta estilo Tandem para podermos realizar este intento.
E não é que, depois de algum tempo, O Senhor colocou em meu caminho, bem pertinho de casa, um homem talentoso (seu Antonio, nome do meu pai!) que construiu, que forjou dois quadros e montou a nossa querida bicicleta Tandem!
Orei muito, meditei Rosários, para que tudo fluísse perfeitamente, iluminando e abençoando tudo, do começo ao fim.
Graças a Deus, hoje, recordo e compartilho com vocês esse momento tão abençoado. E espero no Senhor, que logo, logo, voltemos a desfrutar desta alegria. E que Esse Deus fiel, esteja presente, na vida de todos aqueles que O buscarem, de todo o coração. Esse Deus que tudo pode!!! (Lucas 1, 37)
Com profunda gratidão,
Em Cristo Jesus,
Priscila Santos de Bitencourt.
Amém.

Vida Real

Uma história verídica!!!

Ricardinho não aguentou o cheiro bom do pão e falou:

– Pai, tô com fome!!!

O pai, Agenor, sem ter um tostão no bolso, caminhando, desde muito cedo, em busca de um trabalho; olha com os olhos marejados, para o filho e pede mais um pouco de paciência….

– Mas pai, desde ontem, não comemos nada, eu tô com muita fome, pai!!!

Envergonhado, triste e humilhado em seu coração de pai, Agenor pede para o filho aguardar na calçada, enquanto entra na padaria à sua frente…

Ao entrar dirige-se a um homem no balcão:

– Meu senhor, estou com meu filho de apenas 6 anos na porta, com muita fome, não tenho nenhum tostão, pois sai cedo para buscar um emprego e nada encontrei; eu lhe peço que, em nome de Jesus, me forneça um pão para que eu possa matar a fome desse menino; em troca, posso varrer o chão de seu estabelecimento, lavar os pratos e copos, ou outro serviço que o senhor precisar!!!

Amaro , o dono da padaria, estranha aquele homem de semblante calmo e sofrido, pedir comida, em troca de trabalho, e pede para que ele chame o filho…

Agenor pega o filho pela mão e apresenta-o a Amaro, que imediatamente, pede que os dois sentem-se junto ao balcão; onde manda-lhes servir dois pratos de comida do famoso PF (Prato Feito) – arroz, feijão, bife e ovo…

Para Ricardinho era um sonho, comer após tantas horas na rua…

Para Agenor , uma dor a mais, já que comer aquela comida maravilhosa, fazia-o lembrar-se da esposa e mais dois filhos, que ficaram em casa, apenas com um punhado de fubá….

Grossas lágrimas desciam dos seus olhos já na primeira garfada…

A satisfação de ver seu filho devorando aquele prato simples como se fosse um manjar dos deuses, e lembrança de sua pequena família em casa, foi demais para seu coração tão cansado de mais de 2 anos de desemprego, humilhações e necessidades…

Amaro se aproxima de Agenor e percebendo a sua emoção, brinca para relaxar:

– Ô Maria!!! Sua comida deve estar muito ruim… Olha o meu amigo está até chorando de tristeza desse bife, será que é sola de sapato?!?!

Imediatamente, Agenor sorri e diz que nunca comeu comida tão apetitosa, e que agradecia a Deus por ter esse prazer…

Amaro pede então que ele sossegue seu coração, que almoçasse em paz e depois conversariam sobre trabalho…

Mais confiante, Agenor enxuga as lágrimas e começa a almoçar, já que sua fome já estava nas costas…

Após o almoço, Amaro convida Agenor para uma conversa, nos fundos da padaria, onde havia um pequeno escritório…

Agenor conta, então, que há mais de 2 anos, havia perdido o emprego, e desde então, sem uma especialidade profissional, sem estudos, ele estava vivendo de pequenos ‘biscates aqui e acolá’, mas que há 2 meses não recebia nada…

Amaro resolve, então, contratar Agenor, para serviços gerais na padaria, e penalizado, faz para o homem, uma cesta básica com alimentos, para, pelo menos, 15 dias…

Agenor, com lágrimas nos olhos, agradece a confiança daquele homem e marca para o dia seguinte seu início no trabalho…

Ao chegar em casa, com toda aquela ‘fartura’, Agenor é um novo homem; sentia esperanças, sentia que sua vida iria tomar novo impulso…

Deus estava lhe abrindo, mais do que uma porta, era toda uma esperança de dias melhores…

No dia seguinte, às 5 da manhã, Agenor estava na porta da padaria, ansioso para iniciar seu novo trabalho…

Amaro, chega, logo em seguida e sorri para aquele homem que, nem ele sabia, porque estava ajudando…

Tinham a mesma idade, 32 anos, e histórias diferentes, mas algo dentro dele, chamava-o para ajudar aquela pessoa…

E, ele não se enganou – durante um ano, Agenor foi o mais dedicado trabalhador daquele estabelecimento, sempre honesto e extremamente zeloso com seus deveres…

Um dia, Amaro chama Agenor para uma conversa e fala da escola que abriu vagas para a alfabetização de adultos, um quarteirão acima da padaria, e que ele fazia questão que Agenor fosse estudar…

Agenor nunca esqueceu seu primeiro dia de aula: a mão trêmula nas primeiras letras e a emoção da primeira carta…

Doze anos se passam, desde aquele primeiro dia de aula…

Vamos encontrar o Dr. Agenor Baptista de Medeiros, advogado, abrindo seu escritório para seu cliente, e depois outro, e depois mais outro…

Ao meio, dia ele desce para um café na padaria do amigo Amaro, que fica impressionado em ver o ‘antigo funcionário’ tão elegante em seu primeiro terno…

Mais dez anos se passam, e agora o Dr. Agenor Baptista, já com uma clientela que mistura os mais necessitados que não podem pagar, e os mais abastados que o pagam muito bem, resolve criar uma Instituição que oferece aos desvalidos da sorte, que andam pelas ruas, pessoas desempregadas e carentes de todos os tipos, um prato de comida, diariamente, na hora do almoço…

Mais de 200 refeições são servidas, diariamente, naquele lugar que é administrado pelo seu filho , o agora, nutricionista Ricardo Baptista…

Tudo mudou, tudo passou, mas a amizade daqueles dois homens, Amaro e Agenor, impressionava a todos que conheciam, um pouco da história de cada um…

Contam que aos 82 anos, os dois faleceram no mesmo dia, quase que a mesma hora, morrendo placidamente, com um sorriso de dever cumprido…

Ricardinho, o filho, mandou gravar, na frente da ‘Casa do Caminho’, que seu pai fundou com tanto carinho:

‘Um dia, eu tive fome, e você me alimentou. Um dia, eu estava sem esperanças e você me deu um caminho. Um dia, acordei sozinho, e você me deu Deus, e isso não tem preço… Que Deus habite em seu coração e alimente sua alma,.. E, que te sobre o pão da misericórdia para estender a quem precisar!!!’

(História verídica)

A vida é o presente mais valioso que temos!

Autor desconhecido.

 

Uma História Para Refletir

Um açougueiro, estava em sua loja e ficou surpreso, quando um cachorro entrou.
Ele espantou o cachorro, mas logo o cãozinho voltou. Novamente, ele tentou espantá-lo, foi quando viu que o animal trazia um bilhete na boca.
Ele pegou o bilhete e leu:
“Pode me mandar 12 salsichas e uma perna de carneiro, por favor?”
Ele olhou e viu que dentro da boca do cachorro, havia uma nota de 50 Reais. Então, ele pegou o dinheiro, separou as salsichas e a perna de carneiro, colocou numa embalagem plástica, junto com o troco, e pôs na boca do cachorro.
O açougueiro ficou impressionado e como já era mesmo hora de fechar o açougue, ele decidiu seguir o animal.
O cachorro desceu a rua, quando chegou ao cruzamento, deixou a bolsa no chão, pulou e apertou o botão para fechar o sinal.
Esperou, pacientemente, com o saco na boca, até que o sinal fechasse e ele pudesse atravessar a rua.
O açougueiro e o cão foram caminhando pela rua, até que o cão parou em uma casa e pôs as compras na calçada. Então, voltou um pouco, correu e se atirou contra a porta.
Tornou a fazer isso. Ninguém respondeu na casa. Então, o cachorro circundou a casa, pulou um muro baixo, foi até a janela e começou a bater com a cabeça no vidro várias vezes.
Depois disso, caminhou de volta para a porta, e foi quando alguém abriu a porta e começou a bater no cachorro.
O açougueiro correu até esta pessoa e o impediu, dizendo:
“Por Deus do céu, o que você está fazendo? O seu cão é um gênio!”
A pessoa respondeu:
“Um gênio? Esta já é a segunda vez, esta semana, que este estúpido ESQUECE a chave!!!”

Moral da História:

Você pode continuar excedendo às expectativas, mas, para os olhos de alguns, você estará sempre abaixo do esperado. Qualquer um pode suportar a adversidade, mas, se quiser testar o caráter de alguém, dê-lhe o poder.
Se algum dia, alguém lhe disser que seu trabalho não é o de um profissional, lembre-se: Amadores construíram a Arca de Noé e profissionais, o Titanic. Quem conhece os outros é inteligente. Quem conhece a si mesmo é iluminado.
Quem vence os outros é forte. Quem vence a si mesmo é invencível.

Autor desconhecido.

Torradas Queimadas

Quando eu ainda era um menino, ocasionalmente, minha mãe gostava de fazer um lanche, tipo café da manhã, na hora do jantar.
E eu me lembro, especialmente, de uma noite, quando ela fez um lanche desses, depois de um dia muito duro de trabalho.
Naquela noite longínqua, minha mãe pôs um prato de ovos, linguiça e torradas, bastante, queimadas, defronte ao meu pai.
Eu me lembro de ter esperado um pouco, para ver se alguém notava o fato. Tudo o que meu pai fez foi pegar a sua torrada, sorrir para minha mãe e me perguntar como tinha sido o meu dia, na escola.
Eu não me lembro o que respondi, mas me lembro de ter olhado para ele lambuzando a torrada com manteiga e geleia, e engolido cada bocado.
Quando eu deixei a mesa naquela noite, ouvi minha mãe se desculpando por haver queimado a torrada. E eu nunca esquecerei o que ele disse:
“Amor, eu adoro torrada queimada…”
Mais tarde, naquela mesma noite, quando fui dar um beijo de boa noite em meu pai, eu lhe perguntei se ele tinha realmente gostado da torrada queimada.
Ele me envolveu em seus braços e me disse:
“Filho, sua mãe teve um dia de trabalho muito pesado e estava realmente cansada… Além disso, uma torrada queimada não faz mal a ninguém.
A vida é cheia de imperfeições e as pessoas não são perfeitas. E eu também não sou o melhor marido, empregado ou cozinheiro!”

*   *   *

O que tenho aprendido, através dos anos, é que saber aceitar as falhas alheias, escolhendo relevar as diferenças, entre uns e outros, é uma das chaves mais importantes, para criar relacionamentos saudáveis e duradouros.
De fato, poderíamos estender esta lição para qualquer tipo de relacionamento: entre marido e mulher, pais e filhos, irmãos, colegas e amigos.
Não ponha a chave de sua felicidade, no bolso de outra pessoa, mas no seu próprio.
Procure ver pelos olhos de Deus e sinta pelo coração dEle. Você apreciará o calor de cada alma, incluindo a sua.
As pessoas poderão se esquecer do que você lhes fez, ou do que lhes disse. Mas nunca esquecerão o modo pelo qual você as fez se sentir.
Gastamos muito tempo e muitas energias, nos importando com coisas pequenas, pequenos aborrecimentos, pequenas querelas que não levam a lugar algum.
Acabam, sim, sempre nos fazendo mal, estragando o dia, que tinha tudo para ser tão proveitoso, se houvéssemos escolhido o caminho da compreensão, da paz.
A empatia e a caridade salvarão o mundo. Assim, urge que tenhamos estas duas virtudes muito bem construídas no coração.
Trace planos, estabeleça objetivos que compreendam a empatia e a caridade em sua vida, e perceba que os bons resultados, na forma de felicidade intensa, virão imediatamente.

Autor desconhecido.

Colhemos o que Plantamos

Um carpinteiro analfabeto, com muito sacrifício, enviou seu filho, à capital, para estudar medicina. O rapaz se formou, e como era muito competente, abriu uma clínica de cirurgia plástica e se tornou muito famoso.
Ele se casou com uma mulher da sociedade, e teve um lindo filho.
Um dia, sua mãe morreu e ele trouxe seu pai para sua casa. Ele começou a sentir vergonha de seu pai, pois, este não sabia falar direito, não sabia como lidar com a etiqueta no almoço e jantar, imposta por sua esposa.
Um dia, ele decidiu que o pai deveria morar na casa dos empregados, pois ele recebia muitas visitas e hospedava muitas pessoas importantes.
Conferindo os pratos especiais que tinham, percebeu que alguns, tinham sido quebrados, e viu que seu pai não sabia lidar com a fina louça importada, de sua esposa.
Resolveu fazer uma tigela de barro para seu pai comer e, assim, não usar mais a louça da casa. O neto que era apaixonado pelo avô, vendo tudo isso, no dia seguinte, pela manhã, foi ao mesmo lugar que o pai preparou a tigela de barro e começou a modelar uma outra tigela. O pai lhe perguntou o que ele estava fazendo e o menino respondeu: “Estou treinando para que quando o senhor ficar velho, eu possa preparar uma tigela igual a esta que o senhor preparou para o vovô”.

***

O que você está plantando, não esqueça, você colherá!
“Em todas as coisas olha o fim, e como te encontrarás diante dAquele retíssimo juiz para quem nada há oculto e julgará segundo a justiça.

***
“Portanto, prefiro glorificar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo. Eis por que sinto alegria nas fraquezas, nas afrontas, nas necessidades, nas perseguições, no profundo desgosto sofrido por amor de Cristo. Porque quando me sinto fraco, então é que sou forte”. (2Cor 12, 9-10)

Autor desconhecido.

A Plantinha do Amor

Hoje, ao acordar, verifiquei que a plantinha do amor estava tão murchinha… Resolvi aguar, tirar as folhinhas secas, acariciar as tenras que nasciam… Cada uma delas, tão macia. Era uma lembrança, um dia, um momento, um prazer, uma saudade, uma dor, uma partida… Coloquei mais adubo. Quem sabe, assim, o amor viceja, em minha vida, na sua, e a gente crie a coragem imensa de se perdoar, de se aceitar e buscar ser feliz?
Quem sabe, o amor crie raízes fortes e espalhe alegria, contentamento, e dê frutos saborosos e muita cor à vida e aprendizagem e entendimento! E, já pensou, essa plantinha feito uma trepadeira, subindo, subindo, trazendo aquele calor ao coração? Subindo como na história de João e o Pé de Feijão? Nossa! Será o Paraíso! Chegaremos ao Céu em plena harmonia e esqueceremos as desditas, os ciúmes, as implicâncias. Pediremos a Deus que nos dê bonança! E assustaremos aos menos crédulos… Eles não conseguem imaginar que um amor assim, delicado e bravo, pode, um dia, se acalmar, porque não acreditam na perfeição. Nós mostraremos ao mundo que ficamos cansados, enjoados de tanta sofreguidão, mas que conseguimos, vencemos as dificuldades… Viveremos tranquilos e em união!
Margaret Pelicano

A Nota da Esperança

Foi num jornal, de grande circulação, que lemos a incrível história do violinista Itzhak Perlman.

No dia 18 de novembro de 1995, ele se apresentou no Lincoln Center, em Nova Iorque.

Às oito horas, daquela noite, pisou sobre palco.

O que, para a maioria das pessoas, seria uma tarefa simples, para Itzhak, esse momento, sempre, representava um tremendo esforço.

Apoiado por aparelhos ortopédicos, presos às suas pernas e em duas muletas, Itzhak caminhou, como sempre fazia, lentamente, em passos penosos, porém, sem perder a majestade.

O público já estava acostumado a essa cena, fruto de uma poliomielite que o atingiu, ainda em sua infância.

Itzhak se aproximou da cadeira, se sentou, desatou os aparelhos ortopédicos, deixou as muletas ao seu lado, no chão.

Com o auxílio das mãos, encolheu uma perna para trás, esticou a outra para a frente.

Em seguida, retirou seu precioso violino da caixa, colocou-o sobre o ombro, apoiado em uma das mãos.

Com a outra mão segurou o arco, e apontou para o regente da orquestra, indicando que ele começasse.

O que se viu em seguida, como de hábito, foi a genialidade de um homem através de seu violino, embalando o público com acordes de talentosa maestria.

De repente, se ouviu um estalo!

Uma das quatro cordas do violino havia se rompido!

Todos olharam, em silêncio absoluto, para Itzhak.

Ele fechou os olhos, respirou profundamente, levantou o arco, pedindo ao regente que continuasse no exato ponto em que haviam parado.

E Itzhak tocou com incrível paixão, criando em sua mente, em sua alma, notas e acordes, de forma a produzir os mesmos sons da partitura original.

O público quase não podia acreditar. Itzhak estava tocando a mesma sinfonia, em um violino com três cordas.

Quando terminou, o público se ergueu e não parava mais de aplaudir.

Finalmente, os aplausos cessaram a pedido do violinista. As palavras que ele pronunciou tinham a doçura da convicção e continham uma grande lição:

“… às vezes, a tarefa do artista é descobrir quanta música se pode criar com o que resta.”
*   *   *

Todos somos músicos no concerto da vida. Mesmo com o coração dilacerado, as cordas dos sentimentos quebradas, é preciso continuar a executar as notas musicais.

Podem ser notas simples, isoladas, mas que aos poucos, formarão uma melodia.

E embalados pela melodia da nossa própria dor, haveremos de encontrar forças, para executar a bela sinfonia da vida.

Mesmo que os dias amanheçam chuvosos e frios. Mesmo que o amor tenha partido. Mesmo que tenhamos, ontem, acompanhado os corpos dos nossos amores ao cemitério.

Continuemos tocando a melodia e descobrindo as notas de esperança que a vida nos oferece, no sorriso de uma criança, na mão de um amigo, no abraço carinhoso de um companheiro.

Esperança. Doce melodia que nos diz que, após o inverno rigoroso, chegará a primavera, outra vez. E que, novamente, poderemos nos encantar com a harmonia dos botões desabrochando, como numa grande apresentação sinfônica.

Música que nos chega aos ouvidos, pelas vozes das árvores que balançam, sussurrando a cada dia: Espera. Espera. O sol voltará a brilhar.
Amém!

Autor desconhecido.

A Mulher de Deus

Num frio de dezembro, no hemisfério norte, há alguns anos atrás, um rapazinho de cerca de dez anos, descalço, estava em pé, em frente a uma loja de sapatos.
Ele olhava a vitrine, atentamente, e tremia de frio.
Uma senhora se aproximou do rapaz e disse:
“Você está com pensamento tão profundo, olhando esta vitrine!”
“Eu estava pedindo a Deus para me dar um par de sapatos.” – Respondeu o garoto.
A senhora tomou-o pela mão, imediatamente, entrou na loja e pediu ao atendente para dar seis pares de meias e um par de sapatos para o menino.
Ela, também, perguntou se poderia conseguir-lhe uma bacia com água e uma toalha.
O balconista, rapidamente, a atendeu, enquanto ela levou o garoto para a parte de trás da loja.
Lá, ela tirou suas luvas, ajoelhou-se diante do menino e lavou seus pés pequenos. Após isso, secou-os, cuidadosamente, com uma toalha.
Nesse meio tempo, o empregado da loja, havia trazido as meias e, claro, um belo e novo par de sapatos.
Ela amarrou os outros pares de meias e também lhe entregou.
Deu um tapinha em sua cabeça e disse:
“Sem dúvida, vai ser mais confortável agora.”
Ela se virou para partir e sentiu uma mão pequenina segurando a sua. O garoto estava com lágrimas nos olhos e, emocionado, perguntou:
“Você é a mulher de Deus?”
*   *   *
Há tantas formas de Deus se manifestar em nossa vida cotidiana…
Alguns ainda veem Deus nas forças da natureza apenas, ou nos grandes acontecimentos da vida.
Deus, porém, está em tudo e em todos.
Ele age, incessantemente, através de nós e, muitas vezes, também, apesar de nós.
Deus conta com nosso coração enternecido para estender a mão aos Seus filhos desamparados.
É como o pai que conta com os filhos maiores para cuidar dos menores.
O Criador, em sua bondade infinita, conta com as mãos generosas de todos aqueles que praticam o bem, para instaurar na Terra, pouco a pouco, a paz permanente.
Ele conta com a sensibilidade e compaixão daqueles que não suportam ver o sofrimento alheio, e tomam atitudes imediatas para amenizá-lo de alguma forma.
Ele conta com a coragem dos filhos esclarecidos, que já podem defender os fracos, ainda tão maltratados pelos interesses mundanos reinantes.
Deus conta conosco. Conta comigo e com você que se depara admirado por encontrar esta verdade tão valiosa em seu caminho.
Não perca a oportunidade de trabalhar com Ele, de ser Seu veículo, Seu agente direto.
Iluminamos o próximo, sim, mas nos autoiluminamos ao mesmo tempo, e com isso, o bem e o amor sempre saem vitoriosos.
Sejamos instrumentos do bem na Terra, onde quer que estejamos, através das tantas maneiras possíveis.
Deus conta conosco.

Autor Desconhecido.

A Mais Bela Flor

O bosque estava quase deserto, quando o homem sentou-se para ler, embaixo dos longos ramos de um velho Carvalho.
Estava desiludido da vida, com boas razões para chorar, pois o mundo estava tentando afundá-lo.
E como se já não tivesse razões suficientes para arruinar o seu dia, um garoto chegou, ofegante, cansado de brincar.
Parou na sua frente, de cabeça baixa e disse, cheio de alegria:
“Veja o que encontrei!”
O homem olhou desanimado e percebeu que na sua mão havia uma flor.
“Que visão lamentável!” Pensou consigo mesmo.
A flor tinha as pétalas caídas, folhas murchas, e certamente nenhum perfume.
Querendo ver-se livre do garoto e de sua flor, o homem desiludido, fingiu pálido sorriso e se virou para o outro lado.
Mas, ao invés de recuar, o garoto sentou-se ao seu lado, levou a flor ao nariz e declarou com estranha surpresa: “O cheiro é ótimo, e é bonita, também… Por isso a peguei. Toma! É sua.”
A flor estava morta ou morrendo, nada de cores vibrantes como laranja, amarelo ou vermelho, mas ele sabia que tinha que pegá-la, ou o menino jamais sairia dali.
Então, estendeu a mão para pegá-la e disse, um tanto contrafeito: “Era o que eu precisava.”
Mas, ao invés de colocá-la na mão do homem, ele a segurou no ar, sem qualquer razão.
E, naquela hora, o homem notou, pela primeira vez, que o garoto era cego e que não podia ver o que tinha nas mãos.
A voz lhe sumiu na garganta por alguns instantes…
Lágrimas quentes rolaram do seu rosto, enquanto ele agradecia, emocionado, por receber a melhor flor daquele jardim.
O garoto saiu saltitando, feliz, cheirando outra flor que tinha na mão, e sumiu no amplo jardim, em meio ao arvoredo.
Certamente, iria consolar outros corações que, embora tenham a visão física, estão cegos para os verdadeiros valores da vida.
Agora, o homem já não se sentia mais desanimado e os pensamentos lhe passavam na mente com serenidade.
Perguntava a si mesmo: “Como é que, aquele garoto cego, poderia ter percebido sua tristeza, a ponto de aproximar-se com uma flor para lhe oferecer?”
Concluiu que, talvez, a sua auto-piedade o tivesse impedido de ver a natureza que cantava ao seu redor, dando notícias de esperança e paz, alegria e perfume…
E como Deus é misericordioso, permitiu que um garoto, privado da visão física, o despertasse daquele estado depressivo.
E o homem, finalmente, conseguira ver, através dos olhos de uma criança cega, que o problema não era o mundo, mas ele mesmo.
E ainda, mergulhado em profundas reflexões, levou aquela feia flor ao nariz e sentiu a fragrância de uma rosa…
* * *
Verdadeiramente cego é todo aquele que não quer ver a realidade que o cerca.
Tantas vezes, pessoas que não percebem o mundo com os olhos físicos, penetram as maravilhas que os rodeiam e se extasiam com tanta beleza.
Talvez, tenha sido por essa razão que um pensador afirmou que “O essencial é invisível aos olhos.”
Autor Desconhecido.

Nino Bitencourt e Priscila Santos

Estaremos neste Domingo (19), cantando, a partir das 17h, na Comunidade Aparecida – Jardim dos Pássaros e a partir das 19h30, na Paróquia Santa Rosa de Lima – Guarujá – SP.

Esperamos você!!!